Saiba tudo sobre o PIX

A nova modalidade de pagamento instantâneo já está sendo usada por milhares de pessoas. Conheça mais sobre o PIX e como ele pode te auxiliar.

18 de dezembro de 2020

As transações financeiras sempre fizeram parte do cotidiano das pessoas. Seja pessoa física ou jurídica, precisamos pagar um boleto ou fazer uma transferência bancária. Com a constante evolução da tecnologia, surgem novas formas de agilizar os processos e otimizar o nosso tempo. Foi com esse intuito que surgiu o PIX, um novo modo de fazer pagamentos.

Nesse artigo trazemos a definição do PIX e como ele pode ser utilizado, além de algumas informações que ajudarão a acompanhar essa novidade.

O que é o PIX?

O PIX é uma nova modalidade de pagamento instantâneo criado pelo Banco Central. Esse modelo vem com a intenção de tornar mais rápido e barato os processos de pagamentos, diferentemente de outras modalidades, como o TED, DOC e os boletos bancários. Com o PIX, é possível realizar pagamentos em 24 horas por dia e 7 dias por semana, sendo efetivados em 10 segundos.

Esse novo método de pagamento pode ser feito pelo celular e não será preciso anotar qualquer código de banco ou números de contas. Para fazer uma transferência, por exemplo, você precisará de uma chave do PIX. As pessoas físicas poderão registrar até cinco chaves por conta, tais como CPF, número de telefone, e-mail, ou uma chave.

Quem pode fazer o PIX? 

O PIX pode ser feito por qualquer pessoa para as seguintes finalidades: 

  • Pagamentos e transferência entre pessoas físicas;
  • Entre pessoas e comércios; 
  • Pagamentos de taxas de impostos.

Como citado acima, de uma forma segura, o objetivo do PIX é facilitar os pagamentos de contas, transferências bancárias e até mesmo arrecadações tributárias. Isso mesmo, será possível utilizar o PIX para quitar débitos com o Fisco para a Receita Federal.

Como funciona?

A DARF (Documento de Arrecadação de Receitas Federais), contará com um QR Code onde será possível realizar os pagamentos. Essa tecnologia é usada como um novo código de barras e ela pode ser lida pela câmera do celular de forma instantânea. Já falamos sobre o QR Code em nosso blog, caso queira conhecer mais, clique aqui

Segundo a página de notícias da Receita Federal, estará disponível neste primeiro momento apenas para as empresas que precisam entregar, obrigatoriamente, a Declaração de débitos e créditos tributários federais (DCTF) e de outras entidades e fundos.

No entanto, a Receita Federal já comunicou em seu próprio site que disponibilizará essa opção de pagamento ao DAE (Documento de Arrecadação do eSocial) ainda este ano. Foi comunicado também que no início de 2021, o QR Code será adicionado ao DAS (Arrecadação do Simples Nacional).

O intuito da Receita Federal é liberar essa opção de pagamento em todos os documentos emitidos por ela no decorrer do ano de 2021. Dessa forma, ficará mais fácil quitar qualquer tipo de pendência, sem se preocupar com dia e horário.

Em novembro deste ano, o Tesouro Nacional publicou o PagTesouro. Essa ferramenta dispensa a GRU (Guia de Recolhimento à União) e permite transferências instantâneas para uma conta única do Tesouro através do PIX.

O PIX para MEI

Como citado anteriormente, a Receita Federal pretende inserir o QR Code em todos os documentos que estão sob sua gestão durante o ano de 2021, o que corresponde a mais de 300 milhões de pagamentos por ano. 

Essa medida tem como finalidade facilitar cerca de 9 milhões de pagamentos realizados mensalmente por microempresas.  

Minhas informações estão seguras?

Algumas pessoas e até mesmo empresas estavam com um certo receio de utilizar o PIX. A preocupação era de que a Receita Federal tivesse acesso a todo movimento bancário e informações sigilosas.

A Lei Complementar 105/2001, também chamada de Lei do sigilo bancário, determina que os bancos estão proibidos de divulgar qualquer tipo de informação de terceiros, mesmo para órgãos governamentais como a Receita Federal.

O cadastro no PIX não exige nada além do que as outras modalidades já requerem, tais como as citadas anteriormente, TED e o DOC. 

Também não há limite mínimo para realizar os pagamentos ou transferências, ou seja, pode-se realizar transações a partir de R$0,01. De modo geral, não possui limite máximo de valores, mas as organizações que optarem por utilizar o PIX podem estabelecer um valor. Dessa forma, previne-se riscos de fraudes e outras complicações.  

Não podemos negar o avanço da tecnologia, mas podemos usá-la como aliada. O PIX veio exatamente para facilitar e otimizar questões relacionadas aos pagamentos. Ele pode ser usado por qualquer pessoa que dispõe de um dispositivo móvel gerando assim comodidade.

Espero que tenham gostado desse tema e até a próxima.

Escrito por

Michele Ribeiro - Analista de Conteúdo

Michele é graduada em comunicação social – Jornalismo e possui certificações em marketing digital, marketing para redes sociais e customer success. Atua como Analista de Conteúdo na Mastermaq.

Confira nossos outros posts