Como a internet das coisas tem mudado o mercado?

Você sabe como a internet das coisas pode revolucionar o seu negócio?

13 de maio de 2020

Já faz algum tempo que têm se falado da internet das coisas em nosso dia a dia. Smartphones, SmarTVs, luzes que acendem ao acionar um app… mas, como ela de fato pode mudar o mercado?

Para começar esse assunto, vamos primeiro relembrar a definição do termo.

A “Internet das coisas” surgiu em 1999 com o especialista em tecnologia Kevin Ashton, que trouxe o termo “Internet of Things”. e refere a todos os aparelhos que podemos conectar à internet – desde uma simples cafeteira à um patinete, por exemplo. Estes aparelhos transformam o nosso dia a dia e podem facilitar a nossa rotina, trazendo conforto e produtividade por meio de conexões sem fios e excelentes processadores.

A Internet das coisas no nosso dia a dia

Você usa um relógio que consegue aferir seus batimentos cardíacos e ainda visualizar as notificações do seu telefone? Ele é mais um modelo de como a internet das coisas amplia nossas possibilidades.

Já fazem alguns anos que empresas consolidadas como Ford e Intel estudaram o desenvolvimento de um protótipo para automóveis que permitia o reconhecimento facial do motorista a partir de uma câmera instalada no painel. Assim, o dispositivo ofereceria informações sobre o itinerário a ser feito, além de recomendar músicas.

Caso o rosto não fosse reconhecido, uma foto seria enviada para o celular do dono, a fim de evitar furtos.

Mas não é apenas para o nosso uso pessoal que a internet das coisas facilita a nossa rotina. Ela está presente na medicina, no agronegócio e em diversos outros ramos, inclusive o seu. Quer entender melhor o que ela pode proporcionar no seu negócio? É só seguir a leitura.

Mas, como isso pode impactar de fato o seu escritório?

Atualmente, diversas empresas ao redor do mundo fazem uso da internet das coisas, pois ela promove a união dos mundos físico e digital, otimizando tarefas que podem demandar tempo do funcionário, como o controle de um estoque, por exemplo. Análise de dados e gerenciamento também serão entregues sem a necessidade de intervenção humana.

Analise o seu negócio: o que hoje pode ser automatizado? Acredite, existe uma solução. A internet das coisas é usada, inclusive, na medicina.

O que otimizaria seu tempo no escritório se fosse feito de forma automatizada? Um processamento de folha de pagamento inteligente, por exemplo? Novas formas de pagamento de honorários? A comunicação com o seu cliente?

O mercado contábil exige cada vez mais que o contador vá além da emissão de guias e atue como um verdadeiro consultor nas empresas dos seus clientes. A Internet das Coisas irá acelerar esse processo, mas também, servirá de auxílio para a prestação de novos serviços.  

E as MPE’s?

Também há espaço para as micro e pequenas empresas trabalharem com a internet das coisas. Atualmente, existem no mercado diversos sensores capazes de fazer a contagem de quantas pessoas passaram pelo seu negócio naquele dia, câmeras de vigilância que podem ser verificadas a partir de um app no seu smartphone, 

A forma de pagamento também mudará. Agora os clientes podem usar apenas o smartphone ou relógio na hora do pagamento por meio  de sensores contactless.

No Brasil, o Plano Nacional de Internet das Coisas visa regulamentar essa tecnologia e aumentar a integração do país no cenário internacional. Além disso, será possível contar com a cooperação internacional em pesquisa, desenvolvimento, inovação e internacionalização das soluções desenvolvidas aqui.

Por isso, sendo implementada no seu escritório ou na empresa do seu cliente, a Internet das Coisas facilitará a sua rotina . A integração do  seu software contábil com o sistema de gestão do seu cliente já é um cenário possível graças a tecnologia de IOT. 

O investimento em tecnologia permite conquistar resultados cada vez melhores, E como vimos a Internet das Coisas é um caminho sem volta. Portanto, fique de olho nos seus desdobramentos.

Continue atualizando seus conhecimentos sobre tecnologia e participe das nossas discussões no Facebook e Linkedin. Até a próxima.

Escrito por

Julia Martins - Analista de Mídias Sociais

Júlia é graduada em Relações Públicas, pós-graduanda em Comunicação Digital e Mídias Sociais e possui certificações em Marketing de Conteúdo e Inbound Marketing. Atua como Analista de Mídias Sociais na Mastermaq.

Confira nossos outros posts