Aprenda a calcular o ponto de equilíbrio financeiro, econômico e fiscal

Com esses dados você consegue ajudar seu cliente a tomar decisões estratégicas para a gestão do negócio

27 de agosto de 2019

Para administrar uma empresa da forma correta é necessário vencer muitos desafios. Para a empresa render lucros, é necessário saber calcular o ponto de equilíbrio da gestão empresarial e, então, traçar metas para deixar a balança positiva.

Mas afinal, o que é o ponto de equilíbrio na gestão empresarial?

Essa é simples. O ponto de equilíbrio é quando as despesas e custos fixos são exatamente iguais às receitas. Ele pode ser usado, por exemplo, para saber o quanto uma empresa precisa vender para não ter prejuízo.

No entanto, para encontrar esse valor é preciso considerar alguns fatores. A empresa do seu cliente só conseguirá saber o ponto de equilíbrio da empresa, calculando o equilíbrio financeiro, contábil e econômico.

Ou seja, essa é uma oportunidade de você, contador, agregar valor ao serviço entregue ao seu cliente. Afinal, quem além de você conseguiria fazer estes cálculos e encontrar o ponto de equilíbrio da empresa do seu cliente?

Para te ajudar nesse desafio, o artigo de hoje vai mostrar como fazer cada um desses cálculos. Por isso, pegue papel e caneta e anote as fórmulas.

Equilíbrio contábil: entenda como chegar ao momento ideal

O equilíbrio contábil é o mais fácil de ser calculado. Para esta conta é preciso apenas dividir os custos e despesas fixas pela margem de contribuições. O resultado é o valor necessário para igualar os gastos.

A equação ficará assim:

Ponto de Contábil = Despesas Fixas/ Margem de contribuição

A partir dessa conta, podemos chegar a outros dois cálculos importantes para a gestão empresarial, o ponto de equilíbrio financeiro e o econômico. Vamos a eles?

Calculando o ponto de equilíbrio financeiro

Para chegar a esse valor, primeiramente precisamos desconsiderar dos custos fixos o valor de depreciação dos bens. Isso porque, as empresas costumam colocar o valor de depreciação como despesa.

Mas aqui, esse valor precisa ser ignorado, pois, o cálculo considera apenas o valor desembolsado pelo caixa da empresa.

Portanto, a equação para se calcular o ponto de equilíbrio financeiro da empresa é a seguinte.

PF= Despesas fixas – valor de depreciação/ Margem de contribuição

Ainda está fácil, certo? O próximo cálculo para você ajudar ao seu cliente na gestão empresarial é o equilíbrio econômico. É só seguir a leitura e entender!

Gestão empresarial: equilíbrio econômico é fundamental

Nesse cálculo consideramos o valor das despesas fixas sem nenhum desconto, porém, a elas adicionamos o custo de oportunidade.

Funciona assim: imagine que o seu cliente não investisse na empresa. Ele poderia usar esse dinheiro para fazer uma aplicação que renderia a ele uma porcentagem determinada. Então, no cálculo do equilíbrio econômico esse valor é considerado. Podemos dizer que esse é o salário do seu cliente.

Vamos exemplificar com números?

Imagine que a empresa do seu cliente tenha um total de despesas de R$ 10 mil por ano e ele definiu como custo de oportunidade um percentual de 10%. Logo o custo de despesas fixas considerado para o cálculo é o de R$ 11 mil.

Ficou claro? Que tal entender mais algumas variáveis dessa equação e pensar em algumas aplicações? 

Como aplicar esses cálculos à gestão empresarial?

Bom, antes de pensarmos nas aplicações é necessário entender às duas últimas variáveis dessa equação, o custo de despesas fixas e a margem de contribuição.

Despesas fixas

Para calcular as despesas fixas, é simples. Bastas somar tudo que é necessário para manter a operação da empresa ativa. Ou seja, aluguel, salário de funcionários, luz, gás, água, enfim, as despesas básicas.

Mas fique atento, os gastos com matéria-prima para produção, impostos sobre vendas, comissões e o gasto com produtos revendidos não entram nesse cálculo. Eles serão embutidos no preço de venda do seu produto ou serviço.

Margem de contribuição

O resultado obtido nessa conta é o valor do lucro bruto em cima de cada produto. Essa conta é usada também para calcular o preço de venda de cada item da empresa.

Para fazer esse cálculo, basta somar o custo de produção (matéria-prima, ou produtos comprados de terceiros) com os gastos variáveis (impostos, comissões e afins). Feito isso é só acrescentar o valor da margem de contribuição.

Ela é calculada em porcentagem, a partir do que o empreendedor entende como satisfatório.

Por exemplo, se o produto do seu cliente tem um custo de produção de R$ 30,00, e ele define que a margem de lucro precisa ser de 30%, o produto precisará ser vendido, na loja, por R$ 39,00.

Agora que já entendemos todas as variáveis da equação para se calcular o ponto de equilíbrio de uma gestão empresarial, vamos para as aplicações práticas?

Aplicando o ponto de equilíbrio na gestão empresarial

Você deve estar pensando que este tanto de contas soltas não vai levar a lugar algum. Mas calma, agora vamos exemplificar, para você entender como usar esta fórmula de maneira prática.

Imagine que a empresa do seu cliente tem um custo fixo de R$ 40 mil por ano e foi definido que a margem de contribuição é de 35%. Aplicando esses números a fórmula temos que:

Despesas fixas = R$ 40.000
Margem de contribuição = 35 % ou 0,35
Ponto de Equilíbrio = 40.000/0,35
Ponto de Equilíbrio = 114.285,72

Portanto, chegamos a conclusão que para custear todas as despesas fixas durante o ano, já somando o lucro do seu cliente, a empresa precisa vender R$ 114.285,72.

Indo mais além, se o produto ou serviço da empresa custa R$ 50,00, o seu cliente precisará vender 2.286 itens durante o ano para não ter prejuízo.

Conclusões

Com esses números, é possível tomar algumas decisões. O ponto de equilíbrio está muito alto? É possível reduzir a margem de contribuição, mas isso implica em um novo preço de venda, o que vai aumentar o número de itens que precisam ser vendidos para chegar ao ponto de equilíbrio.

Por outro lado, aumentando o preço do produto ele pode perder competitividade. Existe ainda a possibilidade de reduzir os custos fixos, fazendo economias e reduzindo o pessoal.

Bom, o fato é que com esses números você, contador, pode auxiliar o seu cliente a tomar as melhores decisões. Quer ficar ainda mais seguro para ajudar o seu cliente? Leia o nosso artigo sobre como planejar os custos fixos de uma empresa e fique bem informado.

Escrito por

João Vitor Fernandes - Analista de Conteúdo

João Vitor é jornalista, pós-graduado em Marketing para Mídias Sociais e Especialista em Produção de Conteúdo com certificações em Inbound Marketing e Blogues Corporativos. Atualmente atua como Analista de Conteúdo na Mastermaq.

Confira nossos outros posts