Quais as melhores práticas para antecipar uma gestão de crise?

Antecipe-se e proteja sua empresa

10 de junho de 2020

“No futuro haverão dois tipos de gestores: os rápidos e os mortos” David Vice, Northern Telecom. 

Embora essa frase esteja se referindo ao “futuro”, algo que ainda está por vir, essa realidade já está aqui! A cobrança por eficiência dos gestores aumentou. e se acentua mais ainda em situações de alta pressão e instabilidade: a crise.

E antes que ela chegue até você, é preciso traçar planos e estratégias para se preparar e conseguir dar respostas rápidas, como disse David Nice. Esse conjunto de estratégia é chamado de Gestão de Crise. Vamos entender melhor sobre ela?

O que é Gestão de Crise?

Gestão de crise é o ato de se preparar para ameaças que afetem direta ou indiretamente a sua empresa, possibilitando respostas e decisões rápidas. Esses imprevistos podem ser tanto externos quanto internos, como por exemplo, uma crise econômica, uma pandemia ou até a saída repentina de algum funcionário. 

Os efeitos causados no negócio dependem da natureza do evento ocorrido. Ou seja, Para não ser pego de surpresa, é preciso especular algumas possibilidades e traçar como os stakeholders (em português, parte interessada) da empresa serão afetados: funcionários, proprietários, fornecedores, clientes e outros.

Buscando atenuar os impactos sofridos na empresa com essas ameaças futuras, é comum traçar um plano, começando pela análise do risco. Nesse fluxo, são simuladas algumas possibilidades e é levantado o que pode acontecer com a empresa, desde o contexto mais negativo ao mais tranquilo caso realmente a crise aconteça. 

A partir disso, cria-se estratégias para conter o impacto antes mesmo que ele ocorra, para ganhar tempo e se recuperar com rapidez.

Para se orientar, existem etapas a serem seguidas, garantindo assim que seu negócio vá conseguir preservar ao máximo seu valor e seus processos.

As etapas da gestão de crise

As etapas que devem ser seguidas consistem em 3 momentos: antes, durante e após a crise. 

Antecipação: Planejamento e avaliação

Nesse momento, você deve especular as possíveis ameaças que podem estar por vir e, diante disso, calcular seus riscos e reações nos componentes vitais da empresa: Os stakeholders (em português, parte interessada). Seu objetivo vai ser protegê-los.

Cria-se então um plano de ação, a partir da simulação e dos impactos, pensado em manter o negócio estabilizado sofrendo o menor dano possível.

É interessante definir um responsável ou uma equipe para ficar encarregado de cuidar da gestão de crise. Eles devem ter uma comunicação transparente sobre o que está acontecendo, e devem estar preparados para responder qualquer tipo de pergunta. Além disso, eles precisam manter todos na empresa alinhados com decisões e ações tomadas.

Geralmente, membros do setor jurídico, financeiro, comunicação e recursos humanos estão presentes nessa equipe, áreas essenciais para montar estratégias de sucesso e proteger a empresa.

Resposta: durante a crise

Agora, os responsáveis pela gestão de crise devem colocar em prática seu plano de ação, sempre lembrando que precisam manter a comunicação em dia para todos agirem conforme o esperado.

Esta etapa é muito delicada, e deve ser observada com máxima atenção a todo instante. É importante lembrar que existe um público externo e ele deve ser comunicado, para que saibam o que está acontecendo e como estão lidando com a situação. 

Isso é válido para a mídia mas, principalmente, para o cliente. Ou seja, ao não se pronunciar, seus clientes podem ficar sabendo antes pela mídia, gerando uma impressão negativa e que a empresa é muito distante do seu público, ou não se importa.

É importante estar sempre analisando os efeitos consequentes das ações que estão sendo tomadas, para caso haja alguma inconsistência, possam ser feitas mudanças mais efetivas e vantajosas para minimizar a crise.

Resolução: Pós-crise

Com a empresa já voltando a operar normalmente, distanciando-se da crise, ainda é necessário que a equipe de gestão de crise façam encontros periódicos.

Eles devem analisar o desempenho das estratégias tomadas, especialmente o financeiro e jurídico, sobre a progressão dos esforços feitos.

O plano de gerenciamento de crise também deve ser revisado, para que se avalie  pontos positivos e o que pode mudar, para se preparar melhor ainda em caso de uma crise futura.

Preparar-se é sempre positivo

Um dos exemplos mais recentes que podemos observar uma ação antecipada e que foi um sucesso, foi do grupo Arezzo & Co, semanas antes de enfrentar o choque da pandemia de Coronavírus no Brasil. 

“O CEO Alexandre Birman desenhou um plano emergencial colocando todos os funcionários em home office, acessou linhas de crédito de R$ 500 milhões para fortalecer o caixa e preparou a rede para vender digitalmente.” Link para a entrevista.

Sua empresa está preparada financeiramente para enfrentar a crise? Temos 3 dicas para você superar esse momento!

Boa leitura! Espero que tenham gostado do conteúdo.

Escrito por

Gabriela Bowen - Estagiária de Marketing

Gabriela é estagiária de Marketing e Conteúdo da Mastermaq Software, sob a supervisão de João Vitor Fernandes - Analista de Conteúdo.

Confira nossos outros posts