Design Thinking: metodologia para otimizar o dia a dia do seu negócio

Conheça essa ferramenta e como aplicá-la em seu negócio

22 de maio de 2020

Design Thinking é um termo que está se popularizando por sua eficiência em montar e aplicar projetos com mais assertividade. Embora pareça, essa metodologia não é usada somente por designers – na verdade, todos que buscam atingir novos níveis de inovação no negócio aplicam a metodologia – e tem um grande potencial quando usada corretamente.

Se você não entendeu completamente, fique tranquilo! Vamos te explicar do que se trata essa metodologia e como você pode aplicar no escritório em que você trabalha e até em projetos pessoais!

O que é Design Thinking

O Design Thinking é um processo iterativo que, por meio da empatia, nos colocamos no lugar do cliente e entendemos suas dores e seus desafios, criando a partir deles estratégias e possíveis soluções para esses problemas.

Basicamente esse método consiste em detectar problemas e, a partir deles, criar soluções inovadoras. Também referido como “pensar fora da caixa”, o Design Thinking é usado para romper com os padrões que o ser humano cria intuitivamente, fugindo de soluções tradicionais e oferecendo respostas de valor para o cliente.  

Dessa forma, as novas ideias são testadas de forma rápida, para medir com precisão a adesão do cliente. Com isso, é possível gastar menos tempo com a aplicação de projetos que não terão o sucesso esperado.

Etapas de aplicação do Design Thinking

O Design Thinking passa por algumas etapas antes de chegar na solução final e todas elas são essenciais para que ele seja efetivo. Entenda tudo sobre elas! 

Imersão

Nessa etapa, você vai se colocar no lugar do cliente e entender qual é a relação dele com o serviço que você oferece. Analisa-se emoções, necessidades e motivações, buscando dificuldades e pontos que podem ser melhorados nessa relação.

Essa interação para saber mais do cliente pode ser através de conversas diretas, formulários, avaliações e conhecimentos prévios — inclusive de experiência e impressões dos seus funcionários em relação ao seu cliente.

A partir dessas constatações, começa-se uma análise, em conjunto com o seu time, sobre todas informações coletadas. Esse processo é importante para entender todas as informações coletadas. Depois de analisar, você define o que deve ser melhorado e estuda o problema.

IMPORTANTE! Nesta etapa do Design Thinking não se deve focar em achar a solução. Foque apenas no problema! É essencial entender todos os elementos que o envolvem antes de pensar em uma solução. Caso contrário, você pode se limitar e ignorar pontos importantes sobre o problema.

Ideação 

Agora que você estudou e identificou todos os pontos que envolvem o problema que será resolvido, é hora de juntá-lo com os conhecimentos coletados sobre o cliente e deixar a criatividade fluir! Você deve liberar todas as ideias (possíveis e impossíveis!) que podem sanar esse problema. 

Deve ser um brainstorm sem limites, surgindo ideias inesperadas e que, em primeira mão, não fazem sentido. A partir daí, você deve analisar junto com sua equipe todas as soluções que surgiram e pensar, em conjunto, quais podem ser melhoradas, se elas podem se complementar, até que vocês cheguem a um consenso e escolham a que mais se adequada.

Para selecionar a solução ideal, é preciso aprovar ou reprovar as ideais, pensando em como ela seria aceita por clientes e se seria efetiva.

Prototipagem

Com as ideias articuladas a partir de problemas detectados e pensando na experiência do cliente, é hora de transformá-las em soluções, criando protótipos para serem colocados em teste. 

É válido que esse protótipo se assemelhe à versão final, mas uma dica é que ele não seja aplicado apenas quando 100% finalizado. É importante realizar testes a cada implementação para garantir que todo o projeto está coeso e faz sentido para o usuário.

Esse  método é abordado no livro “Startup Enxuta”. Ao submeter a testes, é possível validar se a dor identificada durante a pesquisa está sendo sanada, ou se ele realmente sente aquela dor. Ou seja, é possível identificar se o trabalho está indo no caminho certo e já recolher feedbacks para desenvolver a versão final da solução. Dessa forma, a sua atuação será mais assertiva e você gastará menos tempo com possíveis falhas e erros.

Teste Final

Nesta fase do Design Thinking, é hora de pôr o protótipo para rodar e observar o que pode ser melhorado, se realmente solucionou o problema da forma ideal para o cliente, entre outros possíveis questionamentos. 

Depois das constatações observadas, você está pronto para refinar a solução e aplicá-la de fato aos seus clientes!

Aplicabilidade do Design Thinking

Agora você está pronto para aplicar o Design Thinking no escritório em que trabalha e atingir níveis inéditos de inovação! Esse método pode ser usado tanto para resolver problemas internos corporativos quanto problemas já existentes vivenciados por clientes.

O Design Thinking também ajuda a desenvolver ferramentas inéditas e inovadoras ao ponto de não ter nada parecido no seu segmento. São muitas as possibilidades!

Esse formato de focar em princípio no problema e só depois na solução é um hábito que pode ser usado em diversas situações rotineiras, sendo considerado uma forma de pensar vantajosa para tomar decisões mais assertivas.

Quer saber mais sobre inovação e como focar no problema do cliente? Gravamos um um PodCast com o Helbert Macedo, Consultor Mastermaq, sobre esse tema que é ligado diretamente às ideias do Design Thinking. Vale a pena escutar!

Mastermaq Software · MasterCast – Você está pronto para a transformação digital?

Escrito por

Gabriela Bowen - Estagiária de Marketing

Gabriela é estagiária de Marketing e Conteúdo da Mastermaq Software, sob a supervisão de João Vitor Fernandes - Analista de Conteúdo.

Confira nossos outros posts